Principal / NOTÍCIAS / Americana impede o bi do Brasil no QS 6000 do México.
Americana impede o bi do Brasil no QS 6000 do México.

Americana impede o bi do Brasil no QS 6000 do México.

Tatiana Weston-Webb e Caroline Marks. Foto: @WSL / Marenelmar

A adolescente americana de 16 anos de idade, Caroline Marks, impediu o bicampeonato do Brasil no QS 6000 Los Cabos Open of Surf no México. A mais jovem integrante da divisão de elite da World Surf League esse ano, primeiro barrou a defensora do título desta etapa, Silvana Lima, nas semifinais. Depois, derrotou a gaúcha Tatiana Weston-Webb na decisão deste domingo em Zippers Beach, na Costa Azul de São José del Cabo.

A californiana já liderava o ranking do WSL Qualifying Series e agora disparou na frente, abrindo quase 5.000 pontos de vantagem sobre a segunda colocada, Keely Andrew, da Austrália. Com os resultados no México, as brasileiras entraram no grupo das seis primeiras colocadas que são indicadas para completar a elite das top-17 que disputa o CT, mas dispensam essas vagas no momento, por já estarem garantindo seus nomes entre as dez primeiras do ranking principal da World Surf League, que são mantidas para o ano que vem.

Esta foi a segunda final seguida da surfista nascida em Porto Alegre (RS) e criada desde criança no Havaí. Ela sempre competiu como havaiana, mas nesse ano decidiu mudar de nacionalidade e passar a representar o Brasil nas competições. No sábado da semana passada, Tatiana Weston-Webb também havia sido vice-campeã na etapa do CT em Uluwatu, na Indonésia, vencida por outra norte-americana, Lakey Peterson. Agora, perdeu para Caroline Marks, ou seja, só foi derrotada pelas líderes dos rankings do CT e QS, respectivamente.

“Foi uma final bem divertida e mais uma vez eu senti que ia ganhar, mas fico feliz pelos segundos lugares que estou conseguindo também”, disse Tatiana Weston-Webb, que subiu da 12.a para a terceira posição no ranking do QS. “Eu sei que minha hora de ganhar vai chegar e só preciso continuar trabalhando para isso. Estou tentando fazer com que esses pequenos passos se tornem cada vez maiores. Isso é o que eu preciso, de vitórias para chegar ao topo, então meu objetivo agora é só esse, melhorar meus resultados em finais”.

Tatiana Weston-Webb (Foto: @WSL / Marenelmar)

Assim como na decisão do Uluwatu CT em Bali, Tatiana largou na frente na grande final do QS 6000 Los Cabos Open of Surf, com notas 7,67 e 8,33 nas duas primeiras ondas que surfou. A californiana também começou bem com 7,00 e 7,63 e assumiu a ponta quando completou uma onda com uma série incrível de manobras que arrancaram nota 9,43 dos juízes. A brasileira não conseguiu aumentar o seu placar durante o restante da bateria e acabou derrotada por 17,06 a 16,00 pontos.

“Esse sempre foi um dos meus eventos favoritos para competir e estou muito feliz por conseguir vencer esse ano”, disse Caroline Marks. “Este está sendo o melhor ano da minha vida e é muito bom estar liderando o ranking. Cada etapa que já estive esse ano tiveram ondas incríveis e estou muito feliz em estar no CT com tantas meninas surfando tão bem. Este ano eu só queria me concentrar em melhorar o meu surfe, sem me preocupar com resultados, só que estou conseguindo os melhores resultados da minha vida e isso é realmente incrível”.

Caroline Marks (Foto: @WSL / Marenelmar)

A campeã também já havia acabado com as chances da cearense Silvana Lima conquistar o bicampeonato consecutivo no QS 6000 Los Cabos Open of Surf no México. As duas se enfrentaram nas semifinais e Caroline Marks somou as duas maiores notas da bateria para vencer por uma pequena diferença de 14,63 a 13,17 pontos. Silvana chegou muito perto da classificação em sua última onda, mas recebeu nota 7,00 e precisava de 7,63 para virar o resultado a seu favor.

“A Caroline (Marks) vinha quebrando o campeonato todo e o terceiro lugar foi um bom resultado também porque valeu mais de 3.000 pontos no ranking”, disse Silvana Lima. “Eu cometi alguns erros na bateria, caí muito nas minhas ondas e ela mereceu vencer. Essa onda é uma das minhas favoritas no mundo, a vibração aqui é incrível, com todos os locais sempre dando força e apoiando a gente aqui. Deu altas ondas aqui esse ano, então saio do México mais uma vez feliz pelo resultado e muito animada para competir pela primeira vez em Jeffreys Bay (próxima parada do CT na África do Sul)”.

Silvana Lima (Foto: @WSL / Marenelmar)

Tatiana e Silvana foram as únicas sul-americanas que chegaram no domingo decisivo do QS 6000 do México. Nas oitavas de final que abriram o último dia, elas despacharam duas havaianas, com Tatiana vencendo Alessa Quizon e Silvana Lima fazendo o mesmo com Zoe McDougall. Nas quartas de final, Tatiana passou pela norte-americana Sage Erickson e Silvana pela australiana Holly Wawn. Nas semifinais, Tatiana bateu a vice-líder do ranking, Keely Andrew, mas Silvana Lima foi derrotada pela campeã Caroline Marks.

SUL-AMERICANAS NO MÉXICO – Entre as outras sul-americanas que competiram no México, quem mais avançou baterias foi a peruana Daniela Rosas. Ela entrou na segunda fase e foi até a quarta, terminando empatada em 37.o lugar com a equatoriana Dominic Barona, que era uma das 24 cabeças de chave que estavam estreando na competição nesta quarta rodada. Outras quatro perderam na terceira fase e ficaram em 61.o lugar no evento, as peruanas Anali Gomez, Melanie Giunta, Sol Aguirre e a argentina Lucia Cosoleto.

Mais quatro sul-americanas ficaram na segunda fase, a argentina Josefina Ane e a chilena Lorena Fica empatadas em 73.o lugar e as brasileiras Tainá Hinckel e Julia Camargo em 85.o. E outra peruana, Alessia Moro, não passou nenhuma bateria e terminou em 97.o lugar na primeira fase. No ranking do QS após as 27 etapas completadas no fim de semana, Tatiana Weston-Webb em terceiro lugar e Silvana Lima em quinto, são as únicas sul-americanas no G-6. Depois, as mais próximas da lista são Dominic Barona em 27.o lugar e Melanie Giunta em 35.o.

Mais informações, notícias, fotos, vídeos e todos os resultados do QS 6000 Los Cabos Open of Surfing do México, podem ser acessadas na página do evento no www.worldsurfleague.com

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL) tem como objetivo celebrar o melhor surfe do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, realizando mais de 180 eventos globais que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL tem uma enorme legião de fãs apaixonados pelo surf em todo o mundo, que acompanham ao vivo as apresentações de grandes estrelas, como Tyler Wright, John John Florence, Paige Alms, Kai Lenny, Taylor Jensen, Honolua Blomfield, Mick Fanning, Stephanie Gilmore, Kelly Slater, Carissa Moore, Gabriel Medina, Courtney Conlogue, entre outros, competindo no campo de jogo mais imprevisível e dinâmico entre todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com.

—————————————————————-

Por: Surf Today / fonte: João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

 

Sobre JR Mirabelli

Comments are closed.

Voltar ao Topo