Principal / NOTÍCIAS / Etapas da WSL South America começam nesta semana no Peru.
Etapas da WSL South America começam nesta semana no Peru.

Etapas da WSL South America começam nesta semana no Peru.

Jessé Mendes campeão em Arica em 2014. Foto: Adam Smith

 

 

A série de eventos da WSL South America no mês de julho começa nesta semana com a volta de San Bartolo e do Peru ao calendário do WSL Qualifying Series após três anos de ausência. Serão duas provas do QS 1000 disputadas a partir de quinta-feira, o Rip Curl Pro San Bartolo Peru para os homens e o Jeep Pro San Bartolo Peru para as mulheres. Os dois eventos terminam no sábado e na segunda-feira começa o prazo do QS 3000 Maui and Sons Arica Pro Tour no Chile, que vai até o domingo (23) só com competição masculina nas ondas desafiadoras de El Gringo. Depois, tem mais um retorno no Peru, do Huanchaco Repalsa Longboard Pro definindo os campeões sul-americanos da WSL South America nos pranchões, nos dias 27 a 29 de julho nas ondas de El Elio, em Trujillo, no litoral norte do país andino.

Dominic Barona vencendo em San Bartolo em 2011 (Foto: Piero Marotta – PeruSurf)

As duas provas do WSL Qualifying Series também valem pontos para o ranking regional da WSL South America. O brasileiro Thiago Camarão e a equatoriana Dominic Barona venceram o QS 1500 Rip Curl Pro Argentina, que abriu a temporada 2017 de eventos na América do Sul em Mar del Plata. Eles largaram na frente na disputa pelos títulos sul-americanos que no ano passado foram conquistados pelo argentino Leandro Usuna e pela brasileira Nathalie Martins.

As previsões indicam grandes ondas para esta semana na costa peruana e o evento pode ser transferido dos molhes de San Bartolo para a famosa onda de Peñascal, conhecida pelo seu poder e semelhança com Sunset Beach, no Havaí. Caso aconteça, será a primeira vez que esse pico lendário do Peru sediará uma competição válida pelo Circuito Mundial. Os organizadores do Rip Curl Pro e do Jeep Pro, vão anunciar o local das provas antes do início do evento na quinta-feira em San Bartolo.

Arquibancada nos molhes de San Bartolo. (Foto: arquivo de 2009)

Mais de sessenta surfistas de vários países já estão inscritos para competir no QS 1000 Rip Curl Pro San Bartolo Peru nessa semana e 25 meninas confirmaram participação no QS 1000 Jeep Pro San Bartolo Peru. O balneário localizado ao sul da capital, Lima, é um dos palcos mais tradicionais para campeonatos de surfe no Peru. Em 2009, estreou no calendário do WSL Qualifying Series com uma prova combinada para homens e mulheres como agora e os primeiros campeões foram o venezuelano Rafael Pereira e a peruana Sofia Mulanovich.

Em 2010, só deu Peru no alto do pódio com Sebastian Alarcon e Valeria Solé festejando os títulos. No ano seguinte, aconteceu a primeira vitória brasileira com Alan Saulo e a equatoriana Dominic Barona acabou com a invencibilidade peruana em San Bartolo. Em 2012, apenas os homens competiram e o peruano Miguel Tudela foi o campeão. Em 2013 não teve etapa e em 2014 a peruana Sofia Mulanovich ganhou novamente o último QS disputado em San Bartolo.

El Gringo no ano passado (Foto: Rodrigo Farias – Aguasagrada)

QS 3000 NO CHILE – A etapa peruana termina no sábado e na segunda-feira começa o prazo do tradicional desafio nos tubos gelados de El Gringo, em Ex-Isla Alakrán, no Chile. O Maui and Sons Arica Pro Tour by Corona & Cannon ganhou importância esse ano com a elevação do status do evento de QS 1500 para QS 3000. Isso atraiu mais competidores de outros continentes e o número de inscritos já ultrapassa noventa surfistas para participar da oitava edição da etapa chilena nos tubos de El Gringo.

Atualmente, é o campeonato mais antigo do calendário da WSL South America. A sua história começou em 2009, com o peruano Gabriel Villaran sendo o primeiro campeão do Desafio de Arica. O evento só não foi realizado em 2010, mas retornou no ano seguinte com Guillermo Satt conquistando a única vitória chilena nas grandes ondas de El Gringo. Em 2012, o título ficou com o australiano Anthony Walsh, na final com o havaiano Eala Stewart. Em 2013, Alvaro Malpartida foi o segundo peruano a vencer, batendo o próprio Anthony Walsh.

No ano seguinte, o hoje líder do QS, Jessé Mendes, que já garantiu sua vaga no CT 2018 por antecipação na África do Sul, quebrou um tabu ao se tornar o primeiro brasileiro a ser campeão em El Gringo. Em 2015, o mar ficou gigante no último dia em todas as praias de Arica e as finais tiveram que ser canceladas, com os quatro semifinalistas terminando em terceiro lugar. Mas, em 2016 teve vencedor e o francês Willian Aliotti vai defender o título esse ano no Chile. Ele derrotou o australiano Dean Bowen na segunda decisão sem sul-americanos na bateria.

LONGBOARD – Após as duas etapas do WSL Qualifying Series, o tradicional Huanchaco Repalsa Longboard Pro Peru volta a ser disputado nas ondas de El Elio, perfeitas para a modalidade praticada em pranchões como no início do surfe. O campeonato estreou em 2010 e só não aconteceu no ano passado, mas sua sétima edição será realizada nos dias 27 a 29 de julho em Huanchaco, norte do Peru. Competindo em casa, o bicampeão mundial Piccolo Clemente venceu metade das seis etapas disputadas. Inclusive as duas últimas edições, como a brasileira Atalanta Batista, que também foi bicampeã sul-americana de Longboard da WSL South America em 2014 e 2015.

Atalanta Batista e Piccolo Clemente campeões em 2014 (Foto: Renato Moreno)

As inscrições para o Huanchaco Repalsa Longboard Pro seguem abertas pelo sistema online do www.wslsouthamerica.com e a expectativa é da participação de grandes estrelas do esporte, como o próprio peruano Piccolo Clemente e de outro bicampeão mundial, Phil Rajzman, do bicampeão sul-americano Rodrigo Sphaier com duas vitórias na etapa peruana, entre outros. Na categoria feminina, as brasileiras Atalanta Batista e Chloé Calmon, que lidera o ranking mundial da World Surf League este ano, são as principais candidatas ao título no Peru.

Os três eventos da WSL South America serão transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL), antes denominada Association of Surfing Professionals (ASP), tem como objetivo celebrar o melhor surf do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, promovendo os eventos que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Samsung Galaxy Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL já possui uma enorme legião de fãs apaixonados em todo o planeta que acompanha as performances dos melhores surfistas do mundo, como Gabriel Medina, John John Florence, Adriano de Souza, Kelly Slater, Stephanie Gilmore, Greg Long, Makua Rothman, Carissa Moore, entre outros, competindo no mais imprevisível e dinâmico campo de jogo entre todos os esportes no mundo, que é o mar.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com

———————————————————–

Por: Surf Today / Fonte: João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

 

Sobre JR Mirabelli

Comments are closed.

Voltar ao Topo