Principal / NOTÍCIAS / Filipe Toledo começa a defender o título do US Open of Surfing com vitória.
Filipe Toledo começa a defender o título do US Open of Surfing com vitória.

Filipe Toledo começa a defender o título do US Open of Surfing com vitória.

Filipe Toledo estreando na terça-feira em Huntington Beach. Foto: Morris – WSL

 

O Brasil tenta manter a hegemonia no alto do pódio das etapas do QS 10000 no evento mais tradicional dos Estados Unidos, que no ano passado foi encerrado com uma final verde-amarela entre Filipe Toledo e Willian Cardoso. O defensor do título do Vans US Open of Surfing, Filipe Toledo, estreou com vitória no primeiro confronto da terça-feira em Huntington Beach. Já o catarinense Willian Cardoso foi barrado pelo potiguar Jadson André na bateria vencida pelo australiano Dion Atkinson. Além de Filipe e Jadson, mais dez brasileiros, como o líder do WSL Qualifying Series, Alejo Muniz, passaram para a segunda fase e o argentino Santiago Muniz é o outro representante da América do Sul entre os 48 classificados nos dois primeiros dias na Califórnia.
Alejo competiu na segunda-feira e se classificou em segundo lugar na disputa vencida pelo costa-ricense Carlos Munoz. Os outros dois estrearam na terça-feira, com Filipe Toledo derrotando o australiano Cooper Chapman, o norte-americano Tanner Gudauskas e o havaiano Kalani David, no primeiro confronto do dia. No segundo, Alex Ribeiro completou uma dobradinha brasileira vencida pelo também paulista Caio Ibelli, sobre o português Nic Von Rupp e o australiano Soli Bailey.O próprio Filipe Toledo ganhou a primeira prova com status QS 10000 do ano, disputada em Lower Trestles, San Clemente, também na Califórnia. A segunda foi o Quiksilver Pro Saquarema no Brasil, encerrado com o também paulista Alex Ribeiro festejando o título na “Cidade do Surf” da Região dos Lagos do Rio de Janeiro. E a terceira foi o Ballito Pro na África do Sul, onde o catarinense Alejo Muniz já garantiu o seu retorno ao seleto grupo dos top-34 da World Surf League com a vitória sobre o australiano Davey Cathels. Os três campeões passaram pelo primeiro desafio nas ondas de Huntington Beach.

Na segunda-feira, o Vans US Open não começou bem para os brasileiros, com o potiguar Italo Ferreira e o catarinense Yago Dora sendo eliminados na primeira bateria do campeonato pelo norte-americano Patrick Gudauskas e o argentino Santiago Muniz. O paulista Deivid Silva também foi barrado no segundo confronto do dia, mas no terceiro o cearense Michael Rodrigues conquistou a primeira vitória brasileira em Huntington Beach. Além dele, só o baiano Marco Fernandez saiu do mar em primeiro lugar na segunda-feira, na dobradinha verde-amarela com o pernambucano Ian Gouveia contra um dos tops do WCT, Dusty Payne, do Havaí, e o australiano Mitch Coleborn.

O catarinense Alejo Muniz passou em segundo lugar em sua estreia no US Open, assim como o cearense Heitor Alves no confronto que fechou a segunda-feira. Nele, o australiano Mitch Crews acertou um aéreo incrível para arrancar a maior nota do campeonato – 9,33. Na briga pela segunda vaga, Heitor superou o peruano Miguel Tudela e o número 1 do Jeep Leaderboard, Adriano de Souza, que terminou em último sem achar boas ondas para mostrar o seu surfe de líder da corrida pelo título mundial da temporada.

Na terça-feira foram quatro vitórias brasileiras, dos paulistas Filipe Toledo, Miguel Pupo e Caio Ibelli e do catarinense Tomas Hermes. Outros três se classificaram em segundo lugar nas suas baterias, Alex Ribeiro na dobradinha com Caio Ibelli, o potiguar Jadson André e o capixaba Krystian Kymerson. Com isso, doze brasileiros vão disputar a segunda rodada do Vans US Open of Surfing, além do argentino Santiago Muniz, que competirá junto com o cearense Michael Rodrigues contra os norte-americanos Nathan Yeomans e Michael Dunphy na segunda bateria.

Na terceira, são dois brasileiros contra mais dois surfistas dos Estados Unidos, Alejo Muniz e Marco Fernandez contra Kanoa Igarashi e Parker Coffin. Ian Gouveia está sozinho contra três competidores de outros países na quarta bateria, assim como Heitor Alves na quinta. Aí vêm mais duas com participação dupla do Brasil, a sétima com Filipe Toledo e Caio Ibelli enfrentando o havaiano Granger Larsen e o sul-africano Beyrick De Vries, e a oitava com Miguel Pupo e Alex Ribeiro contra dois australianos, Connor O´Leary e Cooper Chapman. Depois, tem Jadson André na nona, Krystian Kymerson na décima e Tomas Hermes na 11.a, contra três estrangeiros.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – a World Surf League (WSL) organiza as competições anuais de surfe profissional e as transmissões ao vivo de cada etapa pelo worldsurfleague.com, onde você pode acompanhar todo o drama e aventura do surfe competitivo em qualquer lugar e a qualquer hora onde acontecer. As sanções da WSL são para os seguintes circuitos: World Surf League Championship Tour (CT), que define os campeões mundiais da temporada, Qualifying Series (QS), Big Wave Tour, Pro Junior e Longboard. A organização da WSL está sediada em Santa Monica, Califórnia, com escritório comercial em Nova York. A WSL também tem sete escritórios regionais de apoio na organização dos eventos na África, Ásia, Austrália, Europa, Havaí, América do Norte e América do Sul.

————————————————————————

Por: Surf Today / Fonte: João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

Sobre JR Mirabelli

Comments are closed.

Voltar ao Topo