Principal / NOTÍCIAS / Kelly Slater: ” Eu não vou me retirar, tenho a intenção de chegar aos 90 anos surfando Pipeline.”
Kelly Slater: ” Eu não vou me retirar, tenho a intenção de chegar aos 90 anos surfando Pipeline.”

Kelly Slater: ” Eu não vou me retirar, tenho a intenção de chegar aos 90 anos surfando Pipeline.”

 

Kelly ainda se mostra bastante focado para enfrentar o World Tour. Foto: WSL

Nos últimos anos a figura de Kelly Slater começa a extrapolar cada vez mais o mundo do surf. Os novos projetos, que variam nas mais variadas áreas, tem ajudado a essa expansão do mediatismo do 11 vezes campeão mundial de surf. A recente entrevista publicada pelo jornal “The Guardian”, na sessão lifestyle e com a Outerknown como pano de fundo, é a prova disso. Um conversa sobre vários temas, onde destaca-se a garantida dada pelo rei que irá continuar a competir.

A cada ano que passa esse é sempre um tema que levanta muitos rumores. Já é assim há mais de 10 anos, mas parece que ainda não é desta que Kelly vai se despedir do mundo das competições. A caminho dos 44 anos, Kelly garante que se sente em forma e que tem o objetivo, se manter assim, durante muitos e muitos anos. Ainda bem, dizemos nós. Ficam aqui alguns dos melhores momentos desta entrevista…

“Sinto mais a idade no meu corpo do que na mente. Neste momento estou trabalhando para superar umas lesões, para que eu possa estar forte no próximo World Tour ano que vem. Não estou saindo do Tour, eu tenho intenção de chegar aos 90 anos e estar surfando em Backdoor e Pipeline”.

“Desde criança que eu tenho medo de me afogar. Isto provem de um incidente numa aula de natação, quando eu tinha 6 anos. Um dos instrutores agarrou na minha cabeça, e achou que seria engraçado, colocá-la debaixo de água até eu ficar sem fôlego. Bem, isso acabou por atormentar durante anos. Mais tarde, já adulto, eu tive um ‘flashback’. Quando estava a surfar uma onda enorme, num dos dias de maior surf no Havai, comecei a vê-lo fazer aquilo comigo”.

“Não podemos ficar estressado por causa de tubarões. Será que eles estão mesmo com fome? O meu ponto de vista é o seguinte: existem 460 espécies de tubarões. Dessas, 456 não estão sequer preocupadas em comer-te”.

“A minha ambição enquanto jovem surfista foi tentar comprar casas em vários sítios. Comprei o meu primeiro apartamento na Austrália, quando tinha 20 anos. Hoje-em-dia tenho casas no Havai, Califórnia e Florida. Mas é nas ilhas Fiji que está o meu coração e passo seis semanas do meu ano por lá”.

“Quando estou mesmo focado consigo fazer ‘mind-surf’. Consigo ver as ondas na praia e sentir os movimentos no meu corpo, o que acaba sendo muito útil”.

“Na verdade, agora que tenho uma marca, não posso descuidar o meu interesse pelo mundo da moda. Após 20 anos com a Quiksilver decidi que era a hora de fazer algo que fosse sustentável e responsável, no que diz respeito aos recursos utilizados”.

“A minha filha acha que eu sou incrível por que conheço o Chris Hemsworth, ator australiano que protagonizou o filme Thor. Ela tem 19 anos e acabou de se formar na faculdade. Somos muito chegados, mas nem sempre foi assim. Sou realista no que diz respeito à minha situação de pai. Basicamente, passei a vida inteira dela viajando, e ela foi educada 99% pela mãe”.

“Já perdi muita gente na minha vida, talvez umas 40, preocupo-me com o fato de tantas mortes ao meu redor, isso pode me tirar, de certa forma, alguma sensibilidade da minha pessoa. A única delas que eu ainda choro, é a da Peggy, ela era uma senhora da Califórnia, uma espécie de segunda mãe para mim. Foi assassinada quando eu tinha 15 anos. Não foi por doença ou acidente de carro; alguém roubou-lhe a vida”.

“As coisas que aprendi com os meus pais foram mais por experiência do que por instrução. Quando envelheci percebi que eles talvez se amassem, mas que não eram bons em saber o que realmente queriam ou simplesmente serem abertos um com o outro. Isso fez com que eu lutasse por algo diferente nos meus relacionamentos”.

“Uma vez a minha mãe vendeu o seu banjo para eu conseguir ir a um campeonato na Cornualha (Reino Unido). Infelizmente eu não posso fazer mais nada para poder compensar, eu ainda me sinto mau em relação a isso”.

 

Por: Surf Today / Fonte: Surf Portugal / “The Guardian”

Sobre JR Mirabelli

Comments are closed.

Voltar ao Topo