Principal / Evelyn Colombo / Mountainboard, entre as ondas e as montanhas, por Evelyn Colombo & Fernando Gazzola.
Mountainboard, entre as ondas e as montanhas, por Evelyn Colombo & Fernando Gazzola.

Mountainboard, entre as ondas e as montanhas, por Evelyn Colombo & Fernando Gazzola.

Entre as ondas e as montanhas

 

A Atletas brasileiros e havaianos destacam o aprimoramento da técnica no surf após treinamentos com o mountainboard.

O surf é o pai dos esportes de prancha, isso é fato. A partir dele os board sports se multiplicaram por todo o globo: skate, snowboard, sandboard, wakeboard, kitesurf etc. Em 1996, na Califórnia, surgia o mountainboard.

A ligação do surf com o mountainboard no Brasil começou com Paulo Solon, o pioneiro no esporte. Ele conta que conheceu o surf na década de 70, quando era morador do Leblon e surfava diariamente. Anos depois foi morar em Visconde de Mauá, região montanhosa do Estado do Rio, e passou a surfar só em viagens esporádicas. Paulao viu a foto de um mountainboard pela primeira vez em uma nota da revista Surfers, foi ai que a ficha caiu: “Percebi que esse novo esporte poderia ser para mim uma boa oportunidade de manter o rip, a base, e principalmente poder me divertir bastante quando não estivesse nas ondas”. Assim que seu primeiro mountainboard chegou do Havaí, ele começou a construir em seu sitio obstáculos de terra que simulavam ondas.

A novidade fez sucesso, amigos e moradores da região faziam fila para andar. A partir daí Paulao começou a fabricar os próprios boards e montou sua equipe. Ao longo dos anos foi unindo a experiência com a pesquisa de materiais, seu shape, produzido artesanalmente, ganhou status profissional. Hoje sua equipe eh a mais premiada do circuito nacional e seu filho, Thiago Solon, de 21 anos, é hexacampeão brasileiro da categoria Profissional. “O mountainboard talvez seja para muitos, um snowboard com rodas ou um skate off-road, mas para mim, do ponto de vista de um surfista é exatamente o surf nas montanhas, dá oportunidade ao surfista de treinar várias manobras e levantar leques de terra semelhantes aos de água.” afirma Paulão. Gabriel Alho, diretor do filme Surf nas Montanhas e local da prainha no Rio de Janeiro, pensa semelhante a Paulo: “Assim que conheci o mountainboard logo pensei, vou  surfar na terra agora”.

Para o carioca Alexandre Oliveira, atleta da equipe Local Trip de Visconde de Mauá e surfista desde criança, o movimento das curvas, cavadas e rasgadas é muito parecido. Grande parte disso se deve ao fato de os trucks angularem mais que os dos skates. Marroney, como é conhecido entre os amigos, e hoje em dia mora na Suíça destaca: “A princípio o surf me ajudou nos movimentos básicos do mountainboard, depois fui mesclando as técnicas, comecei a puxar uns aéreos na água lembrando dos movimentos dos aéreos do mountainboard.” Quando perguntado sobre qual manobra ele acha mais parecida, Marroney não pensou duas vezes: “Particularmente eu acho o 360º Indy muito surf!”, e completa: “Já troquei um dia de surf por um rolé de mountainboard várias vezes, principalmente quando o mar está fraco. Com o mountainboard não tem tempo ruim, pode estar chovendo, calor, frio que é diversão garantida”.

O havaiano Ali Kanno, dono de potentes rasgadas que levantam leques de terra e de água, destaca o reforço de treinamento para ondas grandes: “o mountainboard é um ótimo exercício para manter as pernas fortes, ajuda nas cavadas na base das ondas e no equilíbrio corporal geral”. Gabriel Alho pensa parecido: “O mountainboard é mais pesado que uma prancha, depois que eu comecei a treinar com o mountain meu estilo ficou mais agressivo. Quando você vai pra água e a prancha fica levinha, é um excelente exercício para as pernas, me ajudou bastante nas rasgadas e também no jogo de corpo”.

Se você ficou com vontade de experimentar o esporte e mandar suas rasgadas na terra, acesse o site www.localtrip.com.br e agende uma visita ao Local Trip Mountainboard Park, em Visconde de Mauá-RJ. Lá você encontra pistas de vários níveis de dificuldade – do iniciante ao profissional. O Paulão, proprietário do local, te receberá de braços abertos e você ainda pode se hospedar em um chalé rodeado de pistas por um preço justo. Coloquem seus equipamentos que a diversão é mesmo garantida!

 Texto: Fernando Gazzola

Representante brasileiro da IMA – International Mountainboard Association

Diretor AMERJ – Associação de Mountainboard do Estado do Rio de Janeiro

Por:  Evelyn Colombo Surf Today / Fernando Gazzola Diretor AMERJ

Sobre JR Mirabelli

Comments are closed.

Voltar ao Topo