Principal / NOTÍCIAS / Peruano Miguel Tudela fica em terceiro e Joshua Moniz vence QS do Caribe.
Peruano Miguel Tudela fica em terceiro e Joshua Moniz vence QS do Caribe.

Peruano Miguel Tudela fica em terceiro e Joshua Moniz vence QS do Caribe.

Peruano Miguel Tudela nas direitas de Basse Point (Foto: Poullenot / WSL)

O peruano Miguel Tudela, 20 anos, representou a América do Sul no último dia do QS 3000 Martinique Surf Pro, encerrado no sábado de ótimas ondas em Basque Point, na ilha francesa Martinica. Ele perdeu por menos de meio ponto a disputa pela primeira vaga na final para o sul-africano Michael February, 21 anos, que também por pouco a decisão do título para o havaiano Joshua Moniz, 18 anos. Com os 3.000 pontos da vitória, o campeão saltou da 160.a para a 14.a posição no ranking do World Surf League Qualifying Series, enquanto o peruano Miguel Tudela subiu da 56.a para a 19.a com os 1.680 pontos do terceiro lugar no Caribe.
Nas semifinais, os resultados foram ainda mais apertados. O peruano Miguel Tudela perdeu por 18 décimos de diferença, somando notas 7,50 e 7,13 contra 6,93 e 7,87 da última onda do sul-africano Michael February que acabou garantindo a vitória por 14,80 a 14,63 pontos. A segunda batalha por vaga na final foi mais eletrizante. O havaiano Joshua Moniz começou numa ótima onda que valeu nota 9,33 e liderou toda a bateria com o 7,77 da sua quinta onda. Mas o australiano Cooper Chapman reagiu no final em duas grandes apresentações para somar notas 8,43 e 9,03 e venceria se o havaiano não fechasse sua participação com outra onda excelente nota 8,47 para garantir a pequena vantagem de 17,80 a 17,46 pontos.As três baterias do sábado foram decididas nas últimas ondas surfadas pelos competidores. Na final, o havaiano Joshua Moniz começou muito bem com nota 9,07 e ainda surfou mais duas ondas de forma incrível para receber notas 8,87 e 8,03. O sul-africano Michael February não teve um bom início, mas no final foi pegando uma onda boa atrás da outra e chegou perto da vitória com as notas 8,57 e 7,53 das suas últimas apresentações na Ilha Martinica. O placar ficou em 17,94 a 16,10 pontos e Joshua Moniz levou o prêmio máximo de 16.000 dólares e os 3.000 pontos no ranking, com Michael February  ganhando 10.000 dólares e 2.250 pontos pelo vice-campeonato, subindo do 77.o para o 16.o lugar no WSL Qualifying Series.

O resultado do QS 3000 Martinique Surf Pro não alterou nenhum nome na lista dos dez surfistas que o WSL Qualifying Series classifica para a elite dos top-34 da World Surf League. Mas, dois melhoraram suas posições, o brasileiro Ian Gouveia que subiu da sexta para a quarta colocação e o norte-americano Evan Geiselman, que saiu da rabeira do G-10 para o sétimo lugar. Além do pernambucano Ian Gouveia, mais três brasileiros estão na zona de classificação para a divisão de elite, o catarinense Alejo Muniz em segundo no ranking liderado pelo norte-americano Kolohe Andino, o carioca Pedro Henrique em oitavo e o paulista Deivid Silva em nono lugar.

MAIORIA BRASILEIRA – Alejo, Pedro e Deivid não foram competir no Martinique Surf Pro, mas o Brasil era maioria na lista dos 102 surfistas de 23 países que participaram da primeira etapa do Circuito Mundial de Surf Profissional no Caribe. Eram vinte brasileiros, contra dezenove norte-americanos, sem contar os doze representantes do Havaí. A França compareceu com 11 atletas e a lista dos países segue com a África do Sul (5 surfistas), Espanha (5), ilhas Martinica (4) e Guadalupe (5), Japão (3), Peru (3), Austrália (2), Porto Rico (2), Barbardos (2), São Bartolomeu (2), Argentina (1), Chile (1), Venezuela (1), Inglaterra (1), Costa Rica (1), Taiti (1) e Ilha Reunião (1).

O campeão Joshua Moniz e Michael February (Foto: Poullenot / WSL)

Apesar da maior quantidade de participantes, nenhum brasileiro conseguiu passar para o último dia do QS 3000 Martinique Surf Pro na sexta-feira em Basse Point. Quem chegou mais perto da classificação foi o paulista Thiago Camarão, que foi derrotado numa das melhores baterias do campeonato, encerrada em 17,73 a 17,14 pontos a favor do australiano Cooper Chapman. Era a terceira quarta de final seguida com um surfista da América do Sul disputando vaga para o sábado decisivo. Na primeira, o peruano Miguel Tudela superou o havaiano Kiron Jabour por 16,33 a 13,37, mas na seguinte o venezuelano Francisco Bellorin, que vinha se destacando com boas apresentações, foi barrado pelo sul-africano Michael February por 17,17 a 15,06 pontos. Os dois terminaram em quinto lugar no Caribe e marcaram 1.260 pontos no ranking.

PRÓXIMAS ETAPAS – Agora vêm as duas primeiras etapas com status máximo QS 10.000 da temporada nas próximas semanas, que podem modificar bastante o ranking do WSL Qualifying Series. A primeira é nos Estados Unidos, com o Oakley Lowers Pro começando na terça-feira em Lower Trestles, San Clemente, Califórnia. Depois, as atenções voltam se para o Brasil, com o Quiksilver Pro Saquarema apresentado pela Powerade também valendo 10.000 pontos na Praia de Itaúna, nos dias 4 a 10 de maio em Saquarema, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, antecedendo a etapa brasileira do Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour, o Oi Rio Pro, cujo prazo começa no dia 11 e vai até 22 de maio no Postinho da Barra da Tijuca.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – a World Surf League (WSL) organiza as competições anuais de surfe profissional e as transmissões ao vivo de cada etapa pelo worldsurfleague.com, onde você pode acompanhar todo o drama e aventura do surfe competitivo em qualquer lugar e a qualquer hora onde acontecer. As sanções da WSL são para os seguintes circuitos: World Surf League Championship Tour (CT), que define os campeões mundiais da temporada, Qualifying Series (QS), Big Wave Tour, Pro Junior e Longboard. A organização da WSL está sediada em Santa Monica, Califórnia, com escritório comercial em Nova York. A WSL também tem sete escritórios regionais de apoio na organização dos eventos na África, Ásia, Austrália, Europa, Havaí, América do Norte e América do Sul.

 

 

Por: Surf Today / Fonte: João Carvalho – Assessoria de Imprensa da WSL South America – jcarvalho@worldsurfleague.com

 

Sobre JR Mirabelli

Comments are closed.

Voltar ao Topo