Principal / NOTÍCIAS / QS 10000 Vans World Cup of Surfing é iniciado em Sunset Beach.
QS 10000 Vans World Cup of Surfing é iniciado em Sunset Beach.

QS 10000 Vans World Cup of Surfing é iniciado em Sunset Beach.

Santiago Muniz. Foto: Sloane – WSL

 

O prazo do QS 10000 Vans World Cup of Surfing começou na sexta-feira, mas as ondas só apareceram em Sunset Beach na terça-feira para dar a largada na batalha final pelas últimas vagas do WSL Qualifying Series para o Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour de 2017. E ela já acabou no primeiro dia para o 11.o no ranking que classifica dez para a elite dos top-34, o catarinense Tomas Hermes. Ele foi barrado na abertura da segunda fase, junto com o uruguaio Marco Giorgi, na bateria vencida pelo argentino Santiago Muniz. Mas, outros nove brasileiros estão entre os 37 surfistas que chegaram na última etapa com chances de entrar no G-10 e dois defendem suas vagas em Sunset Beach, Ian Gouveia e Bino Lopes.

)

O filho caçula de Fabio Gouveia é o sétimo do ranking e vai estrear na terceira fase, junto com o campeão mundial Adriano de Souza, já disputando classificação para as oitavas de final da Vans World Cup of Surfing. Bino está em oitavo e entra com mais dois brasileiros, Hizunomê Bettero e Heitor Alves, na décima bateria da segunda fase, iniciada na terça-feira com as duas primeiras fechando o dia. Abaixo deles, o australiano Ryan Callinan e o português Frederico Morais fecham a lista, sendo os mais ameaçados pelos três brasileiros que estão na porta de entrada da zona de classificação para o CT 2017.

Considerando-se os 21.000 pontos no ranking que garantiram vaga no G-10 do ano passado, para ultrapassar essa marca, o pernambucano Ian Gouveia e o baiano Bino Lopes precisam chegar nas semifinais em Sunset Beach. E os brasileiros que estão mais próximos dos últimos colocados só conseguem isso na grande final da Vans World Cup. O 11.o no ranking perdeu, mas tanto Tomas Hermes, como os paulistas Jessé Mendes em 13.o e Deivid Silva em 16.o, terão que ficar entre os três primeiros e o potiguar Jadson André ser vice-campeão no mínimo.

Deivid Silva também estreou na terça-feira e com a única vitória brasileira na segunda bateria da segunda fase, que fechou o primeiro dia. Jessé está na penúltima e Jadson é um dos nove cabeças de chave do Brasil que só entram na terceira e última rodada de dezesseis baterias do QS 10000 de Sunset Beach. Deivid precisa chegar nas quartas de final para superar os últimos colocados no G-10, mas Jadson e Jessé podem conseguir isso nas oitavas. Desde que Ryan Callinan e Frederico Morais não tenham passado da terceira fase e eles entram na segunda, na sexta e sétima baterias, respectivamente.

Deivid Silva (Foto: Sloane - WSL)
Deivid Silva (Foto: Sloane – WSL)

CINCO VAGAS – Dos 37 surfistas com chances matemáticas na briga pelas cinco últimas vagas para o CT 2017, nove competiram nas dezoito baterias realizadas na terça-feira no Havaí. Cinco deles continuam na busca, mas quatro ficaram no primeiro dia de competição em Sunset Beach. O brasileiro Tomas Hermes, que ocupava o 11.o lugar no ranking, perdeu no penúltimo confronto do dia, que abriu a segunda fase, vencido pelo argentino Santiago Muniz com o costa-ricense Noe Mar McGonagle em segundo. O catarinense caiu junto com o uruguaio Marco Giorgi, que havia ganho a primeira bateria da Vans World Cup of Surfing.

O irmão mais jovem do top da elite, Alejo Muniz, ainda pode entrar no G-10 nesta última etapa, mas ele é um dos quinze surfistas que só conseguem isso com os 10.000 pontos da vitória em Sunset Beach. Enquanto Santiago Muniz já avançou para a terceira fase, outros dois que estão na mesma situação do argentino, passaram da primeira para a segunda, o havaiano Torrey Meister e o sul-africano Michael February.

E no confronto que fechou a terça-feira, mais dois concorrentes ganharam as últimas vagas do dia para a rodada dos principais cabeças de chave da World Cup, o brasileiro Deivid Silva e o australiano Mitch Coleborn. O paulista do Guarujá ficou no G-10 até a perna europeia e agora é o 16.o no ranking, precisando chegar nas quartas de final para superar os 16.010 pontos do último da lista no momento, o português Frederico Morais. Já o australiano é o 33.o colocado e necessita ficar entre os dois melhores do campeonato para isso.

Lucas Silveira (Foto: Sloane - WSL)
Lucas Silveira (Foto: Sloane – WSL)

BRASILEIROS – Deivid Silva avançou para a segunda bateria da terceira fase, encabeçada pelo também paulista Wiggolly Dantas da elite do CT e o líder do QS, Davey Cathels, da Australia. Ele foi um dos quatro brasileiros que se classificaram na terça-feira de ondas de 4-6 pés em Sunset Beach. Os outros foram o carioca Lucas Silveira, o cearense Heitor Alves e o pernambucano Luel Felipe, que passaram em segundo lugar nas suas baterias da rodada inicial. Cinco perderam nesta primeira fase, além de Tomas Hermes na abertura da segunda.

Mais oito brasileiros fazem parte da lista dos 32 surfistas pré-classificados para a segunda fase, como Tomas Hermes e Deivid Silva. Sete deles com chances matemáticas de vagas para o CT 2017, como o oitavo do G-10 no momento, o baiano Bino Lopes, e o paulista Hizunomê Bettero, que estreia junto com ele na décima bateria. Outros são os também paulistas Victor Bernardo na nona e Jessé Mendes na 15, o cearense Michael Rodrigues na quarta, o capixaba Krystian Kymerson na sétima e o catarinense Yago Dora na 16.a e última.

E na relação dos 32 principais cabeças de chave da World Cup of Surfing, que entram direto na terceira fase já disputando classificação para as oitavas de final, estão mais nove brasileiros, como os campeões mundiais Adriano de Souza e Gabriel Medina e os também tops do CT, Filipe Toledo, Italo Ferreira, Caio Ibelli, Wiggolly Dantas, Miguel Pupo e Jadson André. Além deles, o número 7 do QS, Ian Gouveia, que vai estrear na bateria do Mineirinho, e Deivid Silva, que foi para a encabeçada por Wiggolly Dantas.

O QS 10000 Vans World Cup of Surfing está sendo transmitido ao vivo de Sunset Beach pelo www.worldsurfleague.com. A primeira chamada a cada dia está sendo marcada entre 7h00 e 8h00 no Havaí, 15h00 e 16h00 no fuso horário de Brasília.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL), antes denominada Association of Surfing Professionals (ASP), tem como objetivo celebrar o melhor surf do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Samsung Galaxy Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL já possui uma enorme legião de fãs apaixonados em todo o planeta que acompanha as performances dos melhores surfistas do mundo, como Gabriel Medina, John John Florence, Adriano de Souza, Kelly Slater, Stephanie Gilmore, Greg Long, Makua Rothman, Carissa Moore, entre outros, competindo no mais imprevisível e dinâmico campo de jogo entre todos os esportes no mundo, que é o mar.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com

———————————————————–

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

 

Sobre JR Mirabelli

Comments are closed.

Voltar ao Topo