Principal / Fabio Maradei / Sophia Medina se supera e faz história no Hang Loose Surf Attack.
Sophia Medina se supera e faz história no Hang Loose Surf Attack.

Sophia Medina se supera e faz história no Hang Loose Surf Attack.

Sophia Medina Hang Loose Surf Attack Ubatuba. Foto: Munir El Hage.

 

 

image001 (2)

IRMÃ CAÇULA DO PRIMEIRO CAMPEÃO MUNDIAL DE SURF VENCEU A ESTREIA DA CATEGORIA FEMININA SUB16 DO CIRCUITO PAULISTA DE BASE, EM UBATUBA

 

O sobrenome já é bem conhecido no surf brasileiro e voltou a fazer história. Desta vez com a caçula da família, Sophia Medina, de São Sebastião, a primeira vencedora da categoria feminina sub16, grande novidade do Hang Loose Surf Attack 2018, que está sendo disputado na Praia de Itamambuca, em Ubatuba. A etapa inicial segue neste domingo (20), com expectativa de ótimas ondas e transmissão ao vivo pela internet, pelo linkhttp://www.fpsurf.com.br/eventos/18/hla/hla01/aovivo3.php.

Também neste sábado foram conhecidos os vitoriosos em outras três disputas: Caio Costa, companheiro de treinos de Sophia em Maresias, faturou a sub14; Ryan Kainalo, competindo em casa, levou na sub12 (e também foi vice na sub14); enquanto que o paranaense Anuar Chiah foi o primeiro colocado entre os mais novos, da sub10. O último dia de disputas conhecerá mais dois vencedores, da sub16 e da sub18, além da cidade que acumulará mais pontos.

Neste sábado (19), Sophia Medina, de apenas 13 anos, se tornou um importante personagem pela vitória inédita no Circuito. A irmã caçula do primeiro brasileiro campeão mundial de surf, Gabriel Medina, foi a melhor numa final bem disputada e deu um grande exemplo de superação. Há menos de um mês ela fez uma cirurgia de urgência, para retirada do apêndice, ficou 17 dias sem surfar e só recentemente conseguiu surfar apenas duas vezes.

“Foi difícil, porque foi uma final com meninas que surfam muito bem, as melhores do Brasil, e lutei contra o cansaço, por falta de treino. Mas tive a honra de participar dessa disputa especial, dei meu melhor e venci. Essa vai entrar para a história e estou muito feliz. Foi muito importante para mim. Foi uma honra ganhar, representar o Instituto Gabriel Medina, minha família”, falou Sophia. “Gosto muito de competir em Itamambuca. Essa onda é a minha cara e me achei ali”, complementou.

RYAN NO CRITÉRIO EXCELENTE – Na sub12, Ryan Kainalo fez uma bateria muito forte na final. Abriu com um 7,25, nota que foi descartada depois, por ter somado um 8,05 e um 8,5, ambas no critério excelente. Murillo Coura, de São Sebastião, foi um rival à altura e tirou um 8,25, mas não foi suficiente para ameaçar a vitória.

“Foi uma vitória muito irada, ainda mais no quintal de casa. Estava muito focado. Ainda não tinha feito uma bateria, mas na decisão consegui me encontrar, surfar bem e fiquei muito feliz. Logo depois permaneci no mar para a final sub14, acima da minha e consegui ainda um segundo lugar, que foi sensacional”, falou Ryan, que já é bicampeão paulista sub10 e o atual campeão sub12, e agora mudou de São Paulo para Ubatuba, onde mora com os avós, para investir no surf.

Na sub14, sob muita chuva, Caio Costa iniciou muito bem e foi ampliando a vantagem. No último minuto confirmou a vitória, com uma nota sete. Ryan voltou a surfar bem e terminou em segundo. “Foi muito bom vencer essa primeira etapa. Queria muito esse resultado e agora é foco para próxima etapa, para repetir o feito de 2016 como campeão paulista”, disse. “A final foi meio tensa, consegui uma nota boa só no minuto final, mas consegui controlar a ansiedade e esperar a onda”, acrescentou o campeão estadual de 2016 na sub12.

Ainda no sábado, foi definida a categoria sub10, que já revelou grandes nomes como Filipe Toledo e Weslley Dantas, reunindo Anuar Chiah e três talentos locais, um deles, Kailani Rennó, filho do big rider Zecão, que dá aulas de surf em Itamambuca. Pedro Henrique foi o segundo, Kailani ficou o terceiro e Kalani Robles, em quarto.

Já fora do mar, a galera continuou se divertindo com as atrações criadas pela Hang Loose, com brincadeiras na areia. No total, 236 surfistas de dez estados iniciaram a competição, divididos em seis categorias. O circuito terá quatro etapas, definindo os campeões paulistas da temporada. Nomes conhecidos como dos campeões mundiais Adriano de Souza, Gabriel Medina já passaram pelo tradicional campeonato, realizado desde 1988.

O Hang Loose Surf Attack 2018 tem os patrocínios de Overboard Action Sports Store, Surf Trip, Super Tubes, Hot Water, Kyw e Sthill, com copatrocínios de Rhyno Foam e CT Wax. Apoios da Prefeitura de Ubatuba, Associação Ubatuba de Surf, Governo do Estado de São Paulo/Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude, com divulgação de Waves e FMA Notícias. Organização da Federação Paulista de Surf.

Por: Surf Today / fonte: 

image003 - Cópia

Sobre JR Mirabelli

Comments are closed.

Voltar ao Topo